Pilares | Vigas | Lajes

APICOAMENTO DO CONCRETO PARA LIBERAÇÃO DAS ARMADURAS 

HIDROJATEAMENTO DAS ARMADURAS COM PRESSÃO DE 5.100 PSI

APLICAÇÃO DE COMPONENTE ANTI-OXIDANTE E ÉPOXI-GEL CRIAR PONTE DE ADERÊNCIA

EXECUÇÃO DE APLICAÇÃO DE GROUTEAMENTO COM 35MPA DE RESITENCIA

CORROSÃO NAS FERRAGENS:

  • A oxidação da armadura, ferragem que se encontra no interior de estruturas em concreto armado, uma vez afetada, entra em processo de corrosão, provocando sua expansão, redução da seção e ruptura do concreto de cobrimento, expondo-a ao ambiente externo, tendo como agravante a aceleração da oxidação. Sendo a armadura responsável pela resistência aos esforços de tração, a perda ou redução demasiada da seção prejudica seu desempenho, podendo vir a comprometer a estrutura.
  • A carbonatação do concreto, hidróxido de cálcio (Ca (OH) 2), que tem origem na hidratação do cimento, combina-se com o gás carbônico presente no ar atmosférico (CO2) para formar o CaCO3, carbonato de cálcio. A água liberada resulta na reação: Ca (OH)2 + CO2 à CaCO3 + H2O”. em conseqüência, há a redução da alcalinidade do concreto e a passividade da armadura, fator que contribui para diminuir a proteção do aço contra a oxidação.
  • A somatória dessas reações é o comprometimento da estrutura, caso não seja tratada em tempo hábil e de maneira adequada.
    “A avaliação de corrosão de armaduras no concreto armado exige conhecimento específico. Providências iniciais como determinação do recobrimento das armaduras e profundidade de carbonatação, fornecem informações fundamentais na execução dos procedimentos do tratamento de recuperação estrutural.”